fbpx

Entrar

Atas do DEPECO

ATA ASSEMBLÉIA MAIO 1993

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DO DEPARTAMENTO DE ECOCARDIOGRAFIA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, REALIZADA NA CIDADE DE SÃO PAULO, SP, EM 2a. CONVOCAÇÃO ÁS 18:00 HORAS DO DIA 10 DE MAIO DE 1993.

UMA VEZ ABERTA A SESSÃO PELO PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO DE ECOCARDIOGRAFIA, DR. FERNANDO SANTANA MACHADO, PASSOU-SE A LEITURA DA ATA DAS ASSEMBLÉIAS DOS DIAS 11 E 12 DE MAIO DE 1992 PELO SECRETÁRIO DO DE DR. ANTONIO SIQUEIRA FILHO. ANTES DA APROVAÇÃO DA ATA PELA ASSEMBLÉIA O DR. ADELINO BARRO, DO INSTITUTO DE MOLÉSTIAS CARDIOVASCULARES DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP, FEZ A RESSALVA QUE O IMC NÃO RETIVERA OS DADOS DO PROTOCOLO DA DOENÇA DE CHAGAS, SOB A COORDENAÇÃO DO DR. RUBENS THEVENARD, CONFORME DESCRITO NA ATA DA ASSEMBLÉIA OU SEJA: SEGUNDO ELE, O IMC RETEVE APENAS OS DADOS DE SEUS PACIENTES E QUE OS DEMAIS DADOS DO ESTUDO E DOS PACIENTES DOS OUTROS CENTROS ENVOLVIDOS HAVIAM SIDO LEVADOS PELO DR. THEVENARD QUANDO ELE SE DESLIGOU DO IMC.

FEITA A RESSALVA, A ATA DAS CITADAS ASSEMBLÉIAS FOI APROVADA POR UNANIMIDADE. REASSUMINDO A PALAVRA, O DR. FERNANDO MACHADO FEZ UMA SÉRIE DE COMUNICAÇÕES DE INTERESSE GERAL;

a) A REVISTA DO DE FOI REFORMULADA, SAINDO AGORA COM 3 NÚMEROS DE ATRASO E NÃO 5, COMO ANTECIPADAMENTE; O EDITOR DA REVISTA O DR. GUSTAVO LOURENÇO VIAJOU POR UM PERIODO PARA OS EUA, E QUE POR ISSO HAVIA SIDO RESTITUIDO PELO DR. ROGÉRIO TASCA, QUE FOI ELOGIADO PELO PRESIDENTE;

b) FALAR SOBRE A POSSIBILIDADE FUTURA, EM ESTUDOS, DA CRIAÇÃO DE “DEPARTAMENTOS LOCAIS DE ECO”, NAS REGIÕES DA SBC A EXEMPLO DO CLUBECO, DE SP O QUE FACILITARIA UMA MELHOR RELAÇÃO AO TÍTULO DE ESPECIALISTA, COMUNICOU QUE A COMISSÃO DESGINADA PELA PRESIDÊNCIA CONCLUIU UM TRABALHO COM SUGESTÕES SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DO TÍTULO, QUE TAMBÉM SERIA ASSINADO PELA AMB E PELA SBC E QUE SERÁ DISTRIBUIDO EM BREVE AOS MEMBROS DO DE PARA AVALIAÇÃO E SUGESTÃO;

c) DA MESMA FORMA A COMISSÃO DE NORMATIZAÇÃO DO ENSINO DE ECOCARDIOGRAFIA TAMBÉM DESIGNADO HAVIA CONCLUIDO SEU TRABALHO QUE SERÁ DISTRIBUIDO EM BREVE AOS MEMBROS DO DE;

e) COMUNICOU A CONCLUSÃO DE ESTUDOS SOBRE A CRIAÇÃO DE UMA COOPERATIVA MÉDICA A SER ENVIADO BREVEMENTE AOS MEMBROS DO DE;

f) FALAR SOBRE A POSSIBILIDADE DO DE VIR A TER UMA VIDEOTECA, O QUE FACILITARIA PRINCIPALMENTE AOS MEMBROS QUE MORAM NO INTERIOR. APÓS ESTES COMUNICADOS, O PRESIDENTE ABRIU A SESSÃO PARA DISCUSSÃO DE ASSUNTOS GERAIS. O DR. FERNANDO MORCEF(RJ) APÓS CITAR AS REALIZAÇÕES CIENTÍFICAS DO DR. JONAS TALBERG(RJ) EM PROL DA ECOCARDIOGRAFIA, SUGERIU SEU NOME PARA A PRESIDÊNCIA DO CONGRESSO DE ECOCARDIOGRAFIA A SE REALIZAR EM 1995 NO RIO DE JANEIRO.

A DRA. MÁRCIA BARBOSA(MG) INDICOU O NOME DO DR. ROGÉRIO TASCA(RJ) PARA A PRESIDÊNCIA DO REFERIDO CONGRESSO. O DR. ALVARO MORAES(SP) QUESTIONOU SE OS CONGRESSOS SERIAM MANTIDOS NO EIXO SP-RJ-MG-, ANTES DE DECIDIR SOBRE O NOME DO PRESIDENTE DO CONGRESSO. O DR. FERNANDO SANTANA EXPLICOU QUE O DE, ATUALMENTE COM MAIS DE 750 MEMBROS TEM INFRA ESTRUTURA PARA FAZER REALIZAR OS CONGRESSOS DE ECO EM QUALQUER LUGAR DO PAÍS E LEVAR Á ASSEMBLÉIA OUTRAS ALTERNATIVAS MANTER COMO ESTA, COM O PRESIDENTE DO CONGRESSO DE QUALQUER LOCAL, MANDAR PARA FORA DO EIXO OU ALTERAR UM ANO NO EIXO SP-RJ-MG E OUTRO FORA DO REFERIDO EIXO. O DR. JORGE MOLL (RJ), ALÉM DA INDICAÇÃO DO DR. ROGÉRIO TASCA, ALERTOU QUE OS CONGRESSOS FORA DE SP-RJ-MG CUSTAM 3 A 4 VEZES A MAIS E QUE O IDEAL SERIA ATÉ QUE OS SIMPÓSIOS, EM GERAL REALIZADOS FORA DESSAS ÁREAS FOSSEM PASSASSEM A SER REALIZADOS COMO PRÉ-CONGRESSOS AO CONGRESSO BRASILEIRO DE CARDIOLOGIA NO QUE FOI SECUNDADO PELO DR. ALFONSO BARBATO (SP), QUE AFIRMA AINDA QUE OS CONGRESSOS DE ECOCARDIOGRAFIA SEMPRE FORAM REALIZADOS NO EIXO POR RAZÃO ECONÔMICAS.APÓS ALGUMAS DISCUSSÕES FOI ENTÃO SUMETIDO À ASSEMBLÉIA PELO DR. FERNANDO MORCEF QUE PRIMEIRAMENTE SE DEVERIA DECIDIR SE OS CONGRESSOS CONTINUARIAM NO EIXO SP-RJ-MG E QUE DEPOIS SE DECIDIRIA SOBRE A FORMA DE ESCOLHA DA PRESIDÊNCIA DO CONGRESSO. FOI ENTÃO APROVADO PELA ASSEMBLÉIA QUE OS CONGRESSOS DO DE SERÃO MANTIDAS NO EIXO SP-RJ-MG.APÓS A APROVAÇÃO DESTA PROPOSTA, VÁRIOS MEMBROS ( DR. RENATO AZEVEDO, MORCEF, DJAIR BRINDEIRO, JORGE MOLL, ALVÁRO MORAES, JUAREZ, TALBERG, ALFONSO BARBATO, CARLOS OLIVEIRA LIMA) DE SE MANIFESTARAM SOBRE A MELHOR FORMA DE SE ORGANIZAR UM CONGRESSO DE ECOCARDIOGRAFIA, SE COM PRESIDENTE LOCAL, PRESIDENTE DE FORA, VICE-PRESIDENTE EXECUTIVO QUE PODERIA SER UM EX-PRESIDENTE DE CONGRESSO ANTERIOR, VICE-PRESIDENTE DE FORA DO LOCAL, COMIISSÃO ORGANIZADORA DO LOCAL E PRESIDENTE DE FORA, O QUE FOI CONTESTADO PELO DR. CLÁUDIO CUNHA (PR) QUE MOSTROU QUE ESTA DISCUSSÃO ERA MUTÁVEL, DEVENDO SER REDISCUTIDO A CADA 2 OU 3 ANOS, COM A DEVIDA ANTECEDÊNCIA PARA OS CONGRESSOS. HOUVE ENTÃO CONCENSO QUE O PRESIDENTE DO CONGRESSO DE 1995 DEVERIA SER DO LOCAL E POR VOTAÇÃO, FOI ESCOLHIDO O DR. ROGÉRIO TASCA (RJ) COMO PRESIDENTE DO CONGRESSO DO DE A SE REAL.IZAR EM 1995, NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. OUTROS ASSUNTOS FORAM ENTÃO DISCUTIDOS. O DR. FERNANDO MORCEF QUIS SABER QUAL A POSIÇÃO DO DE EM RELAÇÃO A ESTRANGEIROS NO (DE), SUGERINDO QUE PUDESSEM SER ACEITOS. DR. JOSÉ MARIA DEL CASTILLO (SP) SOLICITOU QUE FOSSE REALIZADA UMA ASSEMBLÉIA EXTRAORDINÁRIA NO SIMPÓSIO A SER REALIZAR EM RECIFE, EM OUTUBRO PRÓXIMO´PARA DELIBERAR SOBRE A REFORMA DO ESTATUTO DO DE. A DRA. LUCIOLA MARIA (BA) SUGERIU QUE OS PRÓXIMOS CONGRESSOS A PROMOVIDOS PELO (DE) NÃO MAIS OCORRESSEM NO DOMINGO DIA DAS MÃES. O DR. RUBENS THEVENARD (SP) VOLTOU A AFIRMAR QUE HAVIA RETIRADO DO IMC APENAS AS FITAS DE ECO., MAS QUE AS PLANILHAS DO PROTOCOLO DE CHAGAS HAVIAM PERMANECIDO NOS COMPUTADORES DO IMC, MAS FOI NOVAMENTE CONTESTADO PELO DR. ADELINO (SP). DR. MORCEF, SUGERIU QUE MÉDICOS QUE TRABALHAM COM OUTROS SISTEMAS DE IMAGEM (RESSONÂNCIA MAGNÉTICA POR EX.) POSSAM PERTENCER AO DE. O DR. ALVARO MORAES (SP) PEDIU ESCLARECIMENTO QUANTO À POSSIBILIDADE DE TÉCNICOS DE ECO. PERTENCEREM AO DE E QUANTO À EXISTÊNCIA DE UM CONGRESSO INTERNACIONAL DE DOPPLER CARDÍACO A SE REALIZAR EM OUTUBRO DE 1994 NO RJ. DR. FERNANDO MACHADO, EM RESPOSTA, AFIRMA QUE OS TÉCNICOS DE ECO. ESTARIAM LIBERADOS PARA FAZER EXAMES NA ÁREA DE ECO., SEMPRE SOB A RESPONSABILIDADE DIRETA DE UM MÉDICO RESPONSÁVEL QUE, QUANTO AO CONGRESSO DE DOPPLER, QUE HAVIA PEDIDO PARECE AO CONSELHO DELIBERATIVO, JÁ QUE O EVENTO COINCIDIRA COM O CONGRESSO DA SBC A SE REALIZAR EM PORTO ALEGRE EM 1994. INFORMADO POR MEMBROS DO DE QUE O CONGRESSO DE DOPPLER NÃO COINCIDIRIA COM O DA SBC, ELE AFIRMA QUE ESTUDARIA O ASSUNTO E QUE PROVAVELMENTE O DE APROVARIA AQUELE EVENTO INTERNACIONAL. DRS. CLAUDIO CUNHA (PR) E JOSÉ CARLOS (RS) INFORMARAM QUE O SIMPÓSIO DE 1994 SERA REALIZADO ( CONFORME JÁ EM ATA OUTRARIA) EM PORTO ALEGRE, COMO EVENTO PRÉ- CONGRESSO AO CONGRESSO DE CARDIOLOGIA DA SBC E SUGERIAM APROVAÇÃO DO NOME DO DR. IRAM DE CASTRO ( RS) PARA A PRESIDÊNCIA DO REFERIDO SIMPÓSIO, O QUE FOI FEITO PELO PLENÁRIO DA ASSEMBLÉIA . O DR. AUGUSTO (PRES. PRUDENTE) FEZ ELOGIO AO DR. ALFONSO BARBATO PELO TRABALHO REALIZADO NA COMISSÃO DE TÍTULO DE ESPECIALISTA. NADA MAIS HAVENDO A SER DISCUTIDO, A ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DO DEPARTAMENTO DE ECOCARDIOGRAFIA DA SBC. FOI ENCERRADA ÀS 19:50 HORAS PELO DR. FERNANDO SANTANA MACHADO, PRESIDENTE. ASSINADO DR. ANTONIO SIQUEIRA FILHO SECRETÁRIO

CONTINUAÇÃO DA ATA ANTERIOR:

ATA APROVADA POR UNANIMIDADE. PALAVRA DO DR. FERNANDO SANTANA REFORMULAÇÃO DO ESTATUTO (OMISSO E DESATUALIZADO). A COMISSÃO RESPONSÁVEL FEZ UMA REVISÃO DO ESTATUTO GERAL VIGENTE (REVISÃO FEITA PELO DR. CASTILLO). O DR. FERNANDO SANTANA AUTORIZOU COMISSÃO PERÍODICA PARA REVISÃO DO ESTATUTO. SEGUEM VOTACÃO DO NOVO ESTATUTO. O DR. ALFONSO BARBATO PEDE RECONHECIMENTO DO TRABALHO DO DR. CASTILLO. DR. FERNANDO CITA OS OUTROS MEMBROS QUE PARTICIPARAM DA REFORMULAÇÃO DO ESTATUTO. NESTA VOTAÇÃO: APROVAÇÃO UNANIME. DR.CASTILLO DISSE QUE O NOVO ESTATUTO SERÁ ENCAMINHADO PARA APROVAÇÃO DA SBC. QUESTÕES GERAIS: DR. ALFONSO BARBATO SOBRE A PROVA DE ESPECIALIDADE PARA PEDIATRIA E RADIOLOGISTA. HOUVERAM REUNIÕES COM AS DUAS SOCIEDADES (SBP E SBR), DEVENDO HAVER CONCURSO BILATERAL. DR. MARCELO ZANARDI É ” RADICALMENTE” CONTRA, SUGERINDO QUE O DE SE COLOQUE CONTRA. SEGUNDO ESTE, SER ESPECIALISTA DEVE ANTES SER CARDIOLOGISTA.O DR. SANTANA FAZ CONSIDERAÇÕES SOBRE O ASSUNTO EM QUESTÃO E DIZ QUE FOI ENVIADO UMA PETIÇÃO OFICIAL PARA O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA ONDE HAVIA NECESSIDADE DE RECONSIDERAR A POSSIBILIDADE DE SER CARDIOLOGISTA PARA A REALIZAÇÃO DOS EXAMES. SEGUNDO DR. SANTANA DEVEMOS DIZER NÃO AOS CARDIOLOGISTAS, DEVENDO O CONSELHO BUSCAR AS VIAS LEGAIS. DR. MARCELO ZANARDI REAFIRMA A POSIÇÃO DE NÃO HAVER CONVERSA COM O DEPARTAMENTO DE RADIOLOGIA. PARA O DR. DJAIR BRINDEIRO; O DE DEVERIA POSICIONAR RADICALMENTE CONTRA A LIBERAÇÃO DO TÍTULO DE ECOCARDIOGRAFIA, PARA RADIOLOGISTAS, DEVENDO SEMPRE O ECOCARDIOGRAFISTA SER CARDIOLOGISTA PRÉVIAMENTE. QUANTO À LOCALIZAÇÃO DE EXAMES, OS TÉCNICOS PODERIAM ATUAR, DESDE QUE SOB RESPONSABILIDADE E SUPERVISÃO DO ECOCARDIOGRAFISTA. DR. BARBATO COLOCA-SE TAMBÉM CONTRA A REALIZAÇÃO DA PROVA DE TÍTULO DE ESPECIALISTA PARA OS RADIOLOGISTAS, DEFENDENDO ENTRETANTO UMA ” CONVERSAÇÃO ” COM OS RADIOLOGISTAS, PARA EVITAR UMA DICOTOMIZAÇÃO. DR. DJAIR SUGERE MUDANÇAS PARA OS SEGUINTES NOMES: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DO DE DA SBC E CONGRESSO BRASILEIRO DO (DE) DA SBC. DR. FERNANDO S. MACHADO CONFIRMA A POSIÇÃO ATUAL DO DE E DE SEU CONSELHO DELIBERATIVO EM NÃO PERMITIR O INGRESSO DE RADIOLOGISTA NO DEPARTAMENTO. DR. DJAIR REFERE A NECESSIDADE DE VOTAÇÃO, EM ASSEMBLÉIA, DE ASSUNTO TÃO IMPORTANTE. DR. FERNANDO DIZ QUE TAL VOTAÇÃO SERÁ FEITA NA PRÓXIMA ASSEMBLÉIA GERAL. SUGERE TAMBÉM QUE SEJA FEITA UMA “ENQUETE” VIA CORREIO. DR. RUBENS THENENARD CHAMA ATENÇÃO PARA A GRAVIDADE DO ASSUNTO, DIZENDO NÃO HAVER TEMPO PARA UMA VOTAÇÃO A SER REALIZADA NA PRÓXIMA ASSEMBLÉIA GERAL. AFIRMA QUE DEVERÍAMOS ORGANIZAR DENTRO DO DE UM JEITO PARA REALIZAR E HABILITAR TÉCNICOS EM ECOCARDIOGRAFIA. DR. MARCELO ZANARDI INSISTE NO FATO DO DE SE OPOR Á QUALQUER TIPO DE “CONVERSAÇÃO” COM OS RADIOLOGISTAS. SEGUNDO DR. SANTANA, A PIOR OPÇÃO SERIA UM CONTROLE SOBRE OS TÉCNICOS EM ECOCARDIOGRAFIA, E AFIRMA QUE UM CONFRONTO É QUASE INEVITÁVEL. DR. CASTILLO AFIRMA O “PONTO DE VISTA” LEGAL. O DE NECESSITA UM PARECER DA SBC. DR. FERNANDO DIZ QUE O TÍTULO DE ESPECIALISTA É APENAS UM CERTIFICADO DE HABILITAÇÃO EM ECOCARDIOGRAFIA. DR. DJAIR SUGERE QUE O DE ENVIE PARA A SBC A SUA POSIÇÃO OFICIAL SOBRE O ASSUNTO EM QUESTÃO, SUGESTÃO ESTA ENDOSSADA PELO DR. SANTANA. DR. CASTILLO SUGERIU UMA ELABORAÇÃO DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS, ALÉM DE PEDIR Á SBC QUE OS ESTUDOS ECOCARDIOGRAFICOS SEJAM SOLICITADOS PARA OS CARDIOLOGISTAS ( ECOCARDIOGRAFISTAS). DR. FERNANDO SANTANA SUGERE VOLUNTÁRIOS PARA A CONDEÇÃO DE TRABALHOS NESTE SENTIDO. O DR. DJAIR SUGERE O NOME DO DR. MARCELO ZANARDI E DO DR. RUBENS THEVENARD, QUE ACEITOU AS INDICAÇÕES. DR. MARCELO DIZ QUE A PARTICIPAÇÃO DO DR. ALFONSO BARBATO É FUNDAMENTAL. DRA. MÁRCIA BARBOSA PERGUNTA SE AS PROVIDÊNCIAS DEVEM SER TOMADAS PARA A ESCOLHA DE NOVO PRESIDENTE DO DE. A SER VOTADO NO PRÓXIMO CONGRESSO, EM BELO HORIZONTE. RESPONDE DR. FERNANDO QUE 3 MESES ANTES DA VOTAÇÃO SERÃO ABERTAS INDICAÇÕES AS NOVAS CHAPAS. AFIRMA O DR. CASTILLO QUE NÃO HAVERÁ VOTAÇÃO SE HOUVER APENAS UMA ÚNICA CHAPA ELEITORAL. DR. FERNANDO PROCEDE À LEITURA DA “MALA DIRETA” ENVIADA AOS SÓCIOS DO DEPARTAMENTO. DR. MARCELO ZANARDI SUGERE QUE SEJAM SUPRIMIDOS PARA O PAGAMENTO DE EXAMES PELOS CONVÊNIOS OS ECOCARDIOGRAMAS CONTRÁRIOS AOS CONVÊNIOS TIPOS UNIMED, QUE É ADMINISTRADO POR MÉDICOS, DEIXANDO O DE, E NÃO O CONVÊNIO, DETERMINAR QUAL O TIPO DE EXAME A SER REALIZADO (COLON, PULSADO, ETC.). DR. FERNANDO VOLTA A DISCUTIR O ASSUNTO DOS CONGRESSOS DO (DE) FORA DO EIXO SP-RJ-MG. DRA. MÁRCIA BARBOSA PARABENIZA O DR. DJAIR E A DRA. CATARINA CAVALCANTI PELA REALIZAÇÃO E SUCESSO DO SIMPÓSIO. OPINA AINDA DE MANEIRA CONTRÁRIA À ESCOLHA DO PRESIDENTE DO CONGRESSO DE OUTRA CIDADE À DA REALIZAÇÃO DO SUCESSO. DR. FERNANDO SANTANA DIZ QUE O DE EVOLUIU O SUFICIENTE PARA NÃO ENCONTRAR DIFICULDADES EM REALIZAR CONGRESSOS COM PRESIDENTES DE OUTRAS CIDADES ACHANDO VIAVÉL ESTA POSSIBILIDADE. DR. MARCELO ZANARDI SUGERE QUE SEJA FEITO UM “RANKING” DOS LABORATÓRIOS, SE COM A PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DE CADA UM. DR. DJAIR AFIRMA QUE A REALIZAÇÃO E EXCUSSÃO DA “PONTE” CIENTÍFICA DO CONGRESSO SEM FICAR SOB A RESPONSABILIDADE DE MÉDICOS DA CIDADE ONDE O CONGRESSO SERÁ REALIZADO. DR. RENATO TAMBÉM POSICIONA-SE CONTRÁRIO AO FATO DO PRESIDENTE SER DE OUTRA CIDADE, DIFERENTE DAQUELA ONDE O CONGRESSO SERÁ REALIZADO. ENCERRADA A ASSEMBLÉIA.